domingo, 22 de janeiro de 2012

VOCÊ ENTENDE A BUJINKAN?


Você realmente entende o que a Bujinkan é?

Quando dou seminários, estou sempre surpreso ao descobrir os equívocos realizados por tantos professores e estudantes de todo o mundo. Como eu disse uma vez durante um seminário: "ninguém está forçando você a pretensão de ser da "Bujinkan", se você quiser fazer seu próprio material, então faça-o, mas não o chame de Bujinkan!".

Por isso, foi um verdadeiro prazer o último final de semana para atender grupo de Manolo Serrano na Bélgica e passar algum tempo com ele e os irmãos Mitrou da Grécia. Todos eles sendo 14º Dan, foi bom partilhar a nossa visão comum da arte. No caminho de volta, eu pensei que seria apropriado neste Blog refrescar nossa memória sobre o que realmente é a Bujinkan.

Quando Hatsumi Sensei começou a espalhar a sua visão sobre Budô e para compartilhá-lo em todo o mundo, não havia nenhum plano, nenhum processo passo a passo acontecendo. Hatsumi Sensei apenas compartilhava seus conhecimentos a todos dispostos a ouvir. Então em 1.983 ele publicou, em japonês, o seu primeiro "Ten Chi Jin Ryaku No Maki" detalhando os princípios e fundamentos da nossa arte. A versão revisada traduzida para o Inglês chegou até nós na Europa em 1.987. Dez anos mais tarde Hatsumi Sensei decidiu seguir em frente e estabeleceu um tema e um conceito para trabalhar a cada ano.

Em 1.993, tive a sorte de já ser Jûdan (10º Dan) na Bujinkan, então eu tive o básico o suficiente para seguir a evolução do Sensei em seus ensinamentos. Como muitos praticantes da Bujinkan de hoje não eram estudantes na época, eu quero listar aqui mais uma vez, os temas que criaram a arte que conhecemos hoje.

Após o Ten Chi Jin, aprendemos o distanciamento e angulação durante 5 anos:
  • Bô Jutsu - Bastão de 1,80m (1.993),
  • Yari Jutsu - Lança (1.994),
  • Naginata Jutsu - Alabarda (1.995),
  • Biken Jutsu - Espada (1.996),
  • Jo Jutsu - Bastão de 1,20m (1.997).
Durante o Taikai de Valencia (1.995) e novamente em Sanmyaku (o boletim da Bujinkan da época) Hatsumi Sensei disse que ", Yari e Naginata são os Sanshin No Kata das armas longas".

Então nós entramos no mundo do Budô Taijutsu e não estudamos as escolas (como frequentemente se acreditava), mas os 5 Pilares da movimentação do corpo, por meio de 5 das 9 escolas foram:
  • Taihen Jutsu - Shinden Fudô Ryû (1.998), 
  • Daken Taijutsu - Kukishinden Ryû (1.999), 
  • Koppo Jutsu - Koto Ryû (2.000), Kosshi Jutsu - Gyokko Ryû (2.001), 
  • Jûtaijutsu - Takagi Yoshin Ryû (2.002).
Este segundo ciclo de 5 anos que pode estar relacionado de alguma forma ao Gogyô nos permitiu entender (através do treino nas escolas específicas) as várias formas de conhecer o adversário e adaptar a nossa forma de lutar para cada situação.

O terceiro ciclo foi ainda mais complexo à medida que entramos no mundo ou dimensão de Juppô Sesshô (movimentando em dez direções). Que foi também um ciclo de 5 longos anos. Juppô Sesshô é o mais alto nível mecânico e técnico em qualquer sistema marcial (Ryûha) no Japão, e dá a possibilidade de adaptar um tipo específico de combate a qualquer situação encontrada. Quanto ao segundo ciclo (os 5 Pilares de Budô Taijutsu) o ponto importante aqui não tinha nada a ver nem com a arma que usamos ou a escola estudada. O ciclo Juppô Sesshô foi o seguinte:
  • Sanjigen No Sekai - Kunai e Shotô (2.003),
  • Yugen No Sekai - Roppo Kuji No Biken - Espada de Kukishin (2.004),
  • Kasumi No Ho - Bo de Gyokko (2.005),
  • Shizen - Shinden Fudô Ryû (2.006),
  • Kuki Taisho - Espada e Yoroi (2.007).
O Juppô Sesshô desencorajou um monte de praticante e até hoje muitos dos Shidoshi realmente não tem ideia do que foi estudado durante esses 5 anos. Muitos professores não entendem a profundidade do que recebemos. Quantos deles sabem que as técnicas do Bo Jutsu de Kukishin Ryû eram usadas para ensinar a sensação de Kasumi de Gyokko Ryû? Também o movimento de "Happo" para "Juppô" tem que ser visto como uma espécie de um salto quântico no mundo da física da Bujinkan.

Este ciclo Juppô Sesshô terminou a série que agora podemos ver como uma espécie de Ten Chi Jin. Todos nós sabemos que a Ten Ryaku lida com trabalho de pés (ângulo, distância), o Chi Ryaku com a mecânica do corpo (Budô Taijutsu) e o Jin Ryaku com uma mistura de tudo (movimento do corpo ao espírito).

Esta progressão de 3 etapas (Sanpô), de 5 anos (Gohô), portanto, pode, ou deve, ser considerado como o verdadeiro Kihon Happo da Bujinkan (3 × 5 = 8!).

Então era hora de começar o estudo de Shiki - a consciência - o 6º elemento que o Sensei apresentou à comunidade em 2.005. Então estudamos as coisas baseando mais em "filosóficos" conceitos do que escolas ou movimentos mecânicos. Isso foi:
  • Menkyo Kaiden - Destruir o processo de pensamento (2.008),
  • Saino Kon Ki ou Saino Tamashii Utsuwa - Habilidade, espírito e interior (2.009),
  • Rokkon Shôjo - A felicidade é a essência da vida (2.010).
Se Hatsumi Sensei seguiu o ciclo de 5 anos que ele, aparentemente seguiu até agora, podemos esperar o final deste em 2.012. Mas este é apenas um palpite.

Espero que esta pequena revisão dos vários temas serão úteis para você e que agora você possa responder à pergunta inicial:

Você entende a Bujinkan?

Seja feliz!

Arnaud Cousergue



Texto extraído do link: http://kumafr.wordpress.com/2010/03/29/do-you-understand-the-bujinkan/

Traduzido por: Galleni Junior - Shidoshi-Ho

sábado, 21 de janeiro de 2012

ENTREVISTA: MASAAKI HATSUMI SENSEI (TOKYO JORNAL)



Os Ninjas foram tão bem sucedidos em manter suas artes, métodos e atividades ocultas da história que quase foram excluídos da história da humanidade por esse motivo. Achar mitos, folclore, textos antigos e até mesmo desenhos relacionados a imagem do Ninja é muito fácil no Japão atual. Achar algo que seja verossímil com a realidade é quase impossível. Textos antigos eram escritos em códigos ou em linguagem floreada fazendo com que os historiadores não consigam compreender. Isso reforça a ideia popular dos dias de hoje, o estereotipo errôneo da ideia do Ninja, o que ele era e o que ele fazia. Através do tempo, as pessoas tendem a esquecer essa história. Folclore e lendas têm uma base com a realidade. Esses super-homens eram seres humanos como todos nós.


Entrar no Dojô do 34° Soke é uma experiência e tanto. Somos saudados na entrada por pinturas, fotos, um tatami verde e um sortido arsenal de armas exóticas. Perto do teto, numa parede há relicários dedicados aos ancestrais das linhagens das nove escolas marciais que herdou de seu Sensei. Ele é um Ninja. O nome dele é Dr. Masaaki Hatsumi.

Médico Ortopedista e mestre na arte do Koppojutsu… a arte científica guerreira de quebrar ossos e de atacar em pontos sensíveis do ser humano. Ele é um paradoxo vivo. O Grão Mestre age de forma relaxada e cuidadosa, não como um mago lançando magias e nem como um sargento treinando seus homens para morrer por uma causa. Ele é leve, rápido e suave na conversação e às vezes muito cômico.


Nosso encontro parecia predestinado a acontecer quando Sensei Hatsumi espontaneamente nos alcançou uma foto recente sua aonde ele posa com seus prêmios recebidos da Família Imperial. Uma honra que foi dada a menos de cem pessoas desde o final da segunda guerra mundial. A realeza do Japão não somente reconheceu o Dr. Hatsumi como um autêntico Grão Mestre de tradições Ninja, mas também como o único remanescente vivo dessa arte no mundo atual.

Para ele é mais importante levar uma vida simples do que se sobrecarregar com preocupações quanto a história e tradição. Ele explica que a essência das artes do Ninja é uma vida regrada como qualquer outra. As regras do Ninja são simples:

*O objetivo do ninja é obter acesso ao território inimigo, obter o máximo de informação possível para preparar uma estratégia e sair do território inimigo sem ser detectado de maneira alguma. Sobreviver é um instinto natural. Isso pode ser observado em qualquer lugar na vida biológica.
  • O Ninja deve sempre lutar pela retidão através de atos de justiça e reflexão para o aprimoramento de sua alma, seu mestre e parentes.
  • Ninjutsu enfatiza a ludibriação. É melhor confundir o inimigo por espionagem, camuflagem e investigação quando planejar uma estratégia.
  • Segredo era um caso de vida ou morte. Qualquer um que traísse o grupo ao qual pertencia era morto, junto com parentes próximos.
  • Um Ninja nunca deve matar outras pessoas, machucar pessoas inocentes ou roubar por lucro ou prazer pessoal.
  • Condicionamento físico deve ser mantido em níveis excelentes.
  • Artes como música, pintura, poesia, canto e dança devem ser praticadas com entusiasmo.
  • O Ninja deve treinar intensivamente em muitas áreas: armas, combate desarmado, estratégia, análise, entradas táticas, natação, improvisação, escapes e evasões, disfarce, química, meteorologia e geografia entre outras.

Estas são as regras pelas quais o Ninja deve viver, as mesmas de 900 anos atrás. Claro que alunos não treinam intensivamente hoje como os anciões de Iga e de Koga durante o período de guerras civis no Japão. Mas a essência dos ensinamentos de muitos mestres são absolutamente aplicáveis aos dias de hoje, mesmo após quase um milênio. Para dominar a arte do Ninjutsu e permanecer sadio (mentalmente e fisicamente) todos alunos devem viver por essas regras. Aqueles que quebrarem estas regras certamente vão se guiar para a cova ou insanidade. O mestre muitas vezes compara esta arte com as ciências. Assim como drogas podem ser usadas para matar ou curar, tecnologia para criar ou destruir, o Ninja também pode ser mal usado para ganhos pessoais ou desejos do ego por aventuras.
Durante nossa pausa para o chá, Sensei Hatsumi sentou com a equipe do Tokyo Journal para uma entrevista. Sem discursos preparados ou pensamentos pré ordenados. Descontraído e com um microfone em sua frente, o mestre sorri com segurança. Ele é acostumado a isso agora com milhares de praticantes ao redor do mundo, ser entrevistado e fotografado faz parte de sua vida.

TJ: Sensei, é verdade que o senhor é o último verdadeiro mestre de Ninjutsu vivo no mundo?

MH: Não, eu não sou o último, eu tenho meus alunos (Risadas)! A Bujinkan está aqui e viva. É importante que todos compreendam isso. Eu não sou o último, na verdade, meu mestre foi o último Ninja em atividade no real e mais puro sentido do termo.

TJ: Porque aconteceu isso? Porque muitos estilos Samurais sobreviveram e o Ninjutsu praticamente sumiu na eternidade? Foi por causa das guerras na história do Japão?

MH: Não, não foram as guerras. Foi o longo período de paz que conhecemos como período Edo. O Ninjutsu nessa época caiu no desuso e não foi mais necessário seu uso. Ninjutsu é uma verdadeira arte marcial combativa que leva uma vida inteira para ser dominada. Eu creio que nesse período cada vez mais, menos pessoas se interessavam por esse tipo de coisa....

TJ: Como as três escolas de classe Ninja das nove escolas sobreviveram este período de paz?

MH: Pessoas que realmente amavam e se importavam com artes marciais, que se importavam com a arte do Ninja, não pessoas que fazem disso seu sustento são responsáveis. Você cresce e toma conta das coisas que ama não é mesmo? É natural não acha? É por isso que eu trabalhei como ortopedista. Eu não fiz das artes marciais meu sustento. Eu realmente amo o Ninjutsu e as artes marciais. Este é o porque de ter mantido a tradição viva. É importante manter esse aspecto de nossa cultura vivo para as futuras gerações e pelo bem de toda humanidade. Por muitas gerações, mais de 900 anos, Ninjas passaram adiante suas experiências de vida e morte, assim também como sobreviver e resistir. Eu gostaria de proteger esses tesouros para as futuras gerações, deixar as pessoas compreenderem estas lições e como elas poderiam ser de valor para suas vidas. Isso me deixaria feliz.

TJ: Então, é importante que o professor que ensine artes marciais ou Ninjutsu não faça disso sua profissão/sustento?

MH: Não, não.. você pode! Eu não tenho problemas com isso e não me importo com isso. O importante é ter amor pelo que está ensinando, respeito pelo que está ensinando. É importante proteger coisas importantes pelo bem da humanidade. Hoje em dia pessoas que tem o interesse em aprender esses importantes tesouros culturais são cada vezes mais raras. Uma das coisas mais bonitas dos seres humanos é a habilidade de se importar e amar, querer proteger e a habilidade de proteger. Em japonês isso é chamado de Ningensei. Portanto, eu acredito que é necessário cuidar da arte e protegê-la, o que é o mais importante. Isso ocorre da mesma maneira que em qualquer outro período da história humana, não somente nos dias de hoje. Isso sempre foi a essência de nossa arte.

TJ: Como a Bujinkan Dojô é diferente das demais artes marciais hoje em dia?

MH: A arte não foi mudada da forma tradicional ou transformada em esporte. Além disso o conceito de mudança e variação; nos tempos antigos pedra e aço eram atritados entre si para criar uma fagulha. Hoje em dia um isqueiro faz o mesmo trabalho. Isso é o que mantêm minha arte viva e o porque que eu estou apto a usar pistolas, rifles ou qualquer outra arma moderna. Esta forma de pensamento é também o que faz a minha arte diferente das demais artes.

TJ: O Senhor estudou outras artes marciais antes de conhecer o seu Sensei, Takamatsu Sensei?

MH: Sim, foi desse modo que eu cheguei até o meu professor.

TJ: Sensei Takamatsu era famoso?

MH: Ele era famoso entre a comunidade de artistas marciais profissionais. Existiram muitos lutadores fortes e famosos, mas nenhum comparável a ele. Você poderia dizer que ele foi o mestre dos mestres da era dele.

TJ: Sensei Takamatsu lutou na 2º Guerra Mundial?

MH: Não, ele ficou na China por dez anos e teve muitos duelos de vida ou morte. Ele recebeu a pena capital três vezes durante a sua permanência, obviamente escapando todas as vezes. A razão pela qual ele não foi para a Guerra é que ele perdeu a visão de um olho durante uma briga em sua juventude e não podia ouvir com um ouvido. Essas lesões o impediram de tornar-se um soldado.

TJ: Era intenção dele de ir a China para conseguir dinheiro?

MH: Ele teve muitos trabalhos na China, inclusive em construção civil.

TJ: Alguns dizem que ele foi um espião?

MH: Bem, um espião? Hhm? Como você diz.. deixe-me ver… ele fez esse tipo de coisa, sim. Ele era amigo do último imperador e o protegeu.

TJ: Agora que o senhor tem muitos estudantes ao redor do mundo, o que vê para o futuro de sua tradição?

MH: Ahh! Todos eles viraram grandes pessoas! Muitos deles realmente começaram a entender a minha arte. É por esse motivo que eu viajei o mundo por muitos anos ensinando a arte. Eu quero que as pessoas compreendam esta arte. Eu não viajei para disseminar as artes marciais. Viajei para fazer com que as pessoas compreendessem o que é o Ninjutsu, e no caminho eu conheci pessoas fabulosas. O futuro da arte está em boas mãos. Eles viraram um grupo forte.

TJ: Parabéns pelos prêmios que o senhor recebeu da Família Imperial!

MH: Muito obrigado. Eu me sinto agradecido e muito honrado com o Kokusa Eiysho (Prêmio de Proeza Internacional) e o Shakai Bunka Korosho (Prêmio de distinção por Serviços para a Cultura & Sociedade). Em mais de cinquenta anos apenas noventa e duas pessoas receberam esses prêmios.

TJ: Alunos não japoneses são permitidos a estudar sua arte mesmo em níveis mais avançados, aprofundados?

MH: Sem problemas! Todos iguais. Eu não tenho restrições. Mas os alunos devem ter um coração puro, senão simplesmente desaparecem. Não é algo fantástico a arte do Ninjutsu? Pessoas com um coração impuro eventualmente desaparecem, vão embora. Minha arte somente pode vir a tona, a viver nas pessoas de bom coração.

TJ: A última pergunta não é diretamente relacionada as artes marciais, mas o que o senhor pensa sobre o futuro da humanidade? A humanidade poderá sobreviver pelos próximos 1000 anos? Guerra Nuclear? Armas Químicas? Poluição no Planeta?

MH: O que a humanidade precisa para sobreviver é observar e corrigir um ao outro mutuamente! Ajudar os outros educadamente, cientificamente, fisicamente inclusive nas artes da guerra. Por essas razões é que eu digo que o meu Dojô é um local para correção e reflexão. É muito importante para nós corrigirmos uns aos outros! Dizer uns aos outros “EI! Isso não está certo!”. É sempre válido fazer isso. A humanidade precisa aprender a harmonizar-se. Harmonizar-se com o planeta, com a natureza. E para que isso ocorra precisamos ajudar uns aos outros, nós realmente precisamos de paciência e resistência. Isso é arte marcial!

As artes marciais proporcionam métodos de defesa pessoal, condicionamento físico e crescimento espiritual. Todos os animais na natureza tem os seus métodos de defesa. Humanos foram abençoados com o intelecto superior e dominaram o reino animal com suas artes de guerra. Para proteger nossa comunidade, família e nós mesmos de perigos, não é necessário justificativas. Humanos são os únicos animais que podem escolher entre agressividade e passividade, mas os fatores determinantes sempre devem ser a retidão e o amor. Quebrar as leis da natureza e usar as artes marciais para desejos pessoais, poder, fama ou dinheiro simplesmente leva a decadência da pessoa humana.



Texto traduzido da entrevista original do jornal Tokyo Jornal. Integra do texto: http://www.tokyo.to/stories/ninja/

POSTAGENS RECENTES

POSTAGENS MAIS VISTAS